PTI trará especialistas do Brasil e de outros países para iniciativas em prol do território

Pesquisadores de todo o Brasil e de outros países poderão contribuir para os diversos projetos do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), por meio da Rede de Expertise e Inovação que está sendo criada. A primeira reunião do grupo aconteceu em janeiro, quando foi apresentada a proposta e foram definidas as ações seguintes da iniciativa.

 

Tanto pesquisadores, especialistas e empresas como o Parque terão benefícios com a criação da Rede: o PTI com o conhecimento e avanços nos projetos, e os demais agentes, com a possibilidade de aplicar suas pesquisas com a utilização de laboratórios e demais recursos a que terão acesso. A Rede tem parceria com o Instituto Stela, que auxiliará o desenvolvimento de uma plataforma de sistemas de informação e conhecimento.

 


O diretor superintendente do PTI, Ramiro Wahrhaftig, destacou que o principal problema dos pesquisadores é a falta de recursos para aplicação das estudos.

 

A coordenadora técnica da Rede de Expertise e Inovação pelo PTI, Maria Angelica Jung Marques, explica que a atuação da iniciativa será definida a partir das oficinas ministradas com colaboradores do PTI e da Itaipu Binacional, nas quais serão identificadas as demandas, os conhecimentos críticos e os agentes para participar inicialmente da rede. 

 

O objetivo da Rede, conforme Angelica, é trazer especialistas, conhecimentos ou produções preexistentes que contribuam com as necessidades do território.

“Inicialmente dentro da temática desenvolvimento sustentável no nexus água, energia e alimentos sustentável, mas isso pode ser ampliado para outras vertentes específicas, caso seja demandado pelo PTI e seus parceiros”, afirma a coordenadora.

 

“Os recursos humanos estão aí, o problema é que nós nos deparamos com a falta de recursos para laboratórios e equipamentos, e custeio para as pesquisas aplicadas. Aqui no PTI não temos esse problema, então precisamos aproveitar o que temos e criar redes de alcance nacional e até internacional”, ressalta o diretor superintendente do Parque, Ramiro Wahrhaftig.

 

Gestão do conhecimento

 

O Instituto Stela, conhecido mundialmente pelo desenvolvimento da Plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), está participando da cocriação da Rede de Expertise e Inovação e vai contribuir, principalmente, por meio de tecnologias e know-how na área de gestão do conhecimento.

 

“Nosso cronograma de trabalho prevê uma série de oficinas como essa, onde estamos resgatando os objetivos da rede e que tipos de necessidades internas e externas de certa forma podem ser consideradas como elementos-chave para nortearmos o processo de implantação da rede”, destaca Denilson Sell, professor e pesquisador do instituto.

 

 

De acordo com Sell, a Itaipu e o PTI possuem um conjunto de iniciativas em andamento que demandam essa articulação de especialistas. “Mas existem também novas demandas, novas oportunidades, o desenvolvimento de novas tecnologias, envolvendo atores que estão além do território, que estão sendo ressignificadas para que possamos trabalhar isso com o objetivo da própria rede, e empoderar essas ações, facilitar o desenvolvimento delas e potencializá-las”, reforça.

 

As oficinas serão realizadas até março deste ano e, a partir de abril, a intenção é iniciar a operação de algumas demandas que serão identificadas nesses encontros.