PTI apoia revisão e elaboração dos Planos de Saneamento Básico nos municípios da região

O projeto de Saneamento Ambiental da Itaipu Binacional e Parque Tecnológico Itaipu (PTI) compreende uma série de ações desenvolvidas com os municípios da região Oeste do Paraná para fomentar o desenvolvimento socioeconômico da região e melhorar a qualidade de vida das populações. O papel do PTI tem sido de apoiar as prefeituras na elaboração e revisão dos Planos de Saneamento Básico, seguindo as etapas de diagnóstico, debates com a comunidade e aprovação final do documento pela Câmara de Vereadores. 

 

Dos 54 municípios de abrangência da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (AMOP), 14 estão sendo atendidos, em nove convênios celebrados, que beneficiam cerca de 400 mil habitantes. 

 

Em três municípios, Entre Rios do Oeste, Pato Bragado e Quatro Pontes, o trabalho do PTI, iniciado em maio de 2015, já foi concluído e o Plano Municipal de Saneamento foi aprovado. Em Pato Bragado e Quatro Pontes, o PTI ainda presta apoio na implementação das ações. 

 

Santa Helena fechou parceria em dezembro de 2016 no apoio dos quatro eixos do Plano de Saneamento. Os municípios que têm planos intermunicipais estão dispensados do Plano Municipal. 

 

 

Resíduos Sólidos

 

Outro suporte do PTI aos municípios da região vem a partir da parceria com o Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Econômico, Social, Educacional e Cultural Sustentável do Oeste do Paraná (Cidersop)  para a revisão do Plano de Resíduos Sólidos. A Itaipu apoiou o Consórcio em 75% dos investimentos e o Parque prestou auxílio no desenvolvimento do Plano.

 

O Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PIGIRS) engloba três fases e sete etapas, realizadas em sete municípios do Oeste: Ramilândia, Matelândia, Diamante do Oeste, Vera Cruz do Oeste, Ouro Verde do Oeste, São Pedro do Iguaçu e São José das Palmeiras. O processo de diagnóstico foi concluído em todos, e várias reuniões importantes já aconteceram com os prefeitos para discussão da reciclagem e a disposição final dos resíduos sólidos, que é o encaminhamento do lixo coletado.

 

Além do Cidersop, o PTI presta apoio para São Pedro do Iguaçu e Santa Terezinha de Itaipu. Em Santa Terezinha, o Parque entregou no início de junho o Plano de Resíduos pronto. As últimas parcerias celebradas, entre o PTI e as prefeituras do Oeste, foram com os municípios de Foz do Iguaçu e Boa Vista da Aparecida, por meio de um termo de fomento, com previsão de término em julho de 2019.

 

A engenheira sanitarista do PTI, Renata Saviato Dias, que faz parte do Programa de Desenvolvimento Econômico Social Sustentável da região Oeste do Paraná e tem acompanhado a relação do PTI nos convênios com as prefeituras, destaca que a Itaipu tem importante papel em todo esse processo pelo aporte financeiro e pela preocupação com a conservação ambiental e o desenvolvimento dos pequenos municípios. “Mas, assim como a Itaipu, o PTI também assume um importante papel no projeto ao oferecer o trabalho técnico de apoio às prefeituras. E não somente durante a revisão e elaboração dos Planos, após a conclusão também”, afirma.

Renata cita como exemplo ações sociais que estão sendo desenvolvidas em Quatro Pontes, como conscientização ambiental para escolas e acompanhamento, visitas e mobilização da comunidade. “É todo um trabalho de sensibilização do saneamento ambiental para capacitar agentes a fim de replicar a informação nas residências”, ressalta a engenheira.

 


O Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Santa Terezinha foi entregue em junho deste ano. 

 

Para o diretor superintendente do PTI, Jorge Augusto Callado, as questões de saneamento básico são um dos maiores desafios do país, “pois sabemos que os índices em geral não são tão positivos em relação à coleta de esgoto, tratamento, coleta e destinação de resíduos sólidos, também com relação a água potável, e drenagem urbana. Portanto, para o PTI é muito importante dentro da sua missão trabalhar de forma técnica buscando a solução desses problemas e a consequente melhoria dos índices”, ressalta.

 

Para Jorge Callado, todo investimento em saneamento é um investimento preventivo em termos de qualidade de vida e de saúde. “Recursos da área de saúde podem ser destinados de forma preventiva e não apenas em doenças”, avalia.