Parceria entre entidades quer transformar ensino das ciências em Foz do Iguaçu

Transformar o ensino da ciência, na rede municipal de ensino de Foz do Iguaçu, com atividades mais lúdicas e experimentais, é a proposta da parceria firmada entre o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), a Prefeitura de Foz do Iguaçu e a Fundação Banco do Brasil. No dia 15 de agosto foi assinado um protocolo de intenções, entre as instituições, que dá início à formação de professores, por meio de um projeto-piloto na Escola Municipal Monteiro Lobato, do bairro Porto Belo.

 

A metodologia na qual os professores serão capacitados, pela equipe do Projeto Estação Ciências do PTI, é a do ensino por investigação, que prevê uma participação mais ativa dos alunos no processo de aprendizagem das ciências. Na Escola Monteiro Lobato, o projeto vem sendo desenvolvido desde julho deste ano e terá duração de um ano. A intenção é que a iniciativa seja estendida a toda a rede municipal de ensino.

 

 

Além da formação teórica e prática, os professores também vão receber assessoria pedagógica para aplicação das atividades e da metodologia do ensino por investigação. O gerente do Projeto Estação Ciências, Willbur Rogers de Souza, afirmou que essa estratégia “estimula o pensamento crítico, uma visão de ciências um pouco mais experimentativa, um aprendizado, de fato, com a 'mão na massa’”. Ele colocou o espaço à disposição dos docentes, para que seja uma extensão da sala de aula.

 

O diretor superintendente do PTI, Ramiro Wahrhaftig, mencionou a satisfação em participar da assinatura do projeto, tendo apreço pela educação por sua experiência como secretário de Estado de Educação entre 1995 e 1998, no governo de Jaime Lerner. “Tenho um carinho especial pela educação, por ter vivenciado as necessidades das escolas, dos professores e dos alunos”, afirmou.

 

Wahrhaftig comentou, ainda, que o PTI se adiantou a uma tendência que, hoje, é global, dos parques tecnológicos participarem ativamente do desenvolvimento do território, e reforçou a intenção de estender o projeto de formação de professores para todas as 51 escolas do município. “Educação, lá no PTI, é prioridade”, destacou.

 

Parceria estratégica

 

O prefeito de Foz, Chico Brasileiro, contou que, diante da situação do município, nos primeiros meses de governo a estratégia foi buscar apoio dos governos federal e estadual, das instituições e da Itaipu Binacional. “A grata surpresa foi essa aproximação extraordinária com a Itaipu e, particularmente, com o PTI”, salientou. Ele destacou a importância dos projetos que vêm sendo planejados em parceria – entre eles, por exemplo, a construção do Mercado Municipal, oficializada na última semana. O prefeito afirmou, ainda, que a educação é um pré-requisito fundamental para o desenvolvimento humano e que a parceria vai possibilitar a inovação do saber.

O diretor superintendente do PTI, Ramiro Wahrhaftig, mencionou a satisfação em participar da assinatura do projeto.

 

O secretário municipal de Educação, Fernando Ferreira de Souza, reforçou que a formação dos professores no ensino por investigação vai permitir também que os alunos tenham contato com as estruturas do PTI. “Haverá a possibilidade de as crianças conhecerem esses espaços tecnológicos tão importantes e disponíveis no nosso município. Muitas dessas crianças, inseridas no seu contexto, talvez não tivessem naturalmente acesso a tudo isso”.

 

 

O curso desenvolvido no Projeto Estação Ciências foi certificado, em 2015, pela Fundação Banco do Brasil como “tecnologia social”. Essa certificação é o reconhecimento de produtos, técnicas ou metodologias replicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de transformação social.

 

Luiz Carlos Vieira, representante da Fundação Banco do Brasil, agradeceu ao PTI e à prefeitura por terem “abraçado a causa” e estarem desenvolvendo esse projeto com as escolas municipais.