Complexo Turístico Itaipu completa 10 anos de turismo sustentável

Quase 4,5 milhões de pessoas já visitaram os atrativos do Complexo Turístico Itaipu (CTI), desde 2007, quando foi adotado na usina de Itaipu o modelo de turismo sustentável. Nestes 10 anos, completados no dia 1º de junho, a atuação do CTI foi reconhecida pela Organização Mundial de Turismo (OMT) em duas oportunidades: com o Prêmio de Excelência e Inovação do Turismo e como exemplo de modelo de turismo sustentável na página da entidade.

 

Nesse modelo desenvolvido pelo CTI e administrado pelo Parque Tecnológico Itaipu (Fundação PTI), o dinheiro obtido com a venda dos ingressos das sete atrações turísticas paga toda a operação – incluindo custos com renovação da frota de ônibus e combustível, e 140 empregos diretos e 150 indiretos. Além disso, parte dos recursos vai para o Fundo Tecnológico. Desde 2007 até maio deste ano, quase R$19 milhões foram destinados a esse fundo, que financia projetos do PTI, nas áreas de pesquisa, desenvolvimento, inovação, educação e empreendedorismo.

 

O gerente do CTI, Yuri Benites, explica que, dentro do PTI, esse recurso é distribuído entre uma série de iniciativas do Parque voltadas ao desenvolvimento da região, como bolsas de pesquisa, laboratórios, programas e projetos, como o Estação Ciências; Ciência, Tecnologia e Inovação; a Incubadora Santos Dumont; e o Centro de Estudos Avançados em Segurança de Barragens (Ceasb). Foi esse modelo que, em 2016, recebeu um dos prêmios mais importantes do setor no mundo, o da OMT, e foi citado como exemplo no site da organização, que declarou 2017 como Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento.

 

O CTI preparou uma programação especial para comemorar os 10 anos de turismo sustentável e durante os passeios foram sorteados brindes para os visitantes.

 

Benites conta que muitos turistas elogiam o modelo do complexo. “Eles entendem que estão pagando por um serviço e que recebem um acompanhamento nessa visita. Esse é um diferencial nosso, porque não são todos os atrativos que têm visita guiada. Os visitantes também ficam contentes ao saber o destino que é dado à receita obtida”, afirma.

 

O gerente ressalta ainda que ao longo destes 10 anos em que o CTI vem sendo administrado pelo PTI, a principal preocupação é com a melhoria da experiência do turista. “Todo o modelo vem sendo cada vez mais pensado para a experiência do turista, saindo um pouco somente da contemplação, que é como era feito desde o tempo da construção da usina, quando as pessoas já visitavam a obra”, diz.

 

Para isso, as características dos passeios vêm sendo adaptadas pensando nos visitantes, como, por exemplo, os tempos e pontos de parada dos sete atrativos: Visita Panorâmica, Circuito Especial, Kattamaram, Refúgio Biológico, Iluminação da Barragem, Ecomuseu e Polo Astronômico. Em virtude da crescente procura pelo passeio mais completo da usina, o Circuito Especial, o CTI também aumentou a capacidade de atendimento da atração, a partir de junho. A grade de horários foi reformulada, e o número de saídas caiu de oito para seis diárias, mas a capacidade dos ônibus em cada uma delas aumentou.

 

 

 

Leia também:

Turismo na Itaipu tem o propósito de proporcionar experiências, aliando lazer e aprendizado